Blog do Júnior Bocelli

Estudos bíblicos, reflêxões, devocionais, histórias e artigos em geral.

Qual a idade correta para o batismo?

Qual a idade correta para o batismo?

Essa é uma questão cercada de muita polêmica. Eu mesmo já participei de algumas discussões sobre este tema, onde uns defendem o batismo infantil e outros acham isso uma heresia. Geralmente o que faço é dizer o que penso sobre o tema e deixar a conversa rolar, vendo os dois lados se odiarem até o fim. E por que isso acontece? Porque as pessoas, tanto de um grupo como do outro, não querem tomar decisões baseadas na sua própria consciência, mas preferem o caminho largo do legalismo das letras. Atitude que foi condenada por Jesus nos evangelhos, pois, no que diz respeito a literalidade das leis, Ele ensinou a não julgar segundo a aparência, mas segundo a “reta justiça”.

O apóstolo Paulo ainda afirma, baseado no que disse Jesus, que “tudo o que não provém da fé é pecado”; e, uma vez que “bem aventurado é aquele que não se condena naquilo que aprova”, aquele que não age segundo a sua própria consciência em Cristo, mas segundo imposições, amaldiçoa o seu próprio ser. Pois aquele que não age segundo a sua consciência é irresoluto e insatisfeito, donde nasce muitas doenças da alma.

Antes de prosseguir discorrendo sobre o assunto, gostaria de dizer minha opinião que creio ser muito simples. A fé em Jesus e no Evangelho, como diz Paulo, do princípio ao fim é pela fé. As coisa devem acontecer somente no momento em que devam acontecer, ou seja, não se deve determinar idades e tempos para o batismo porque “é Deus quem efetua o querer e também o realizar” e isso significa que as coisas com Deus não acontecem por instituição humana, mas estão sujeitas a soberania e a vontade dEle. Não cabe a ninguém determinar qual o tempo certo para o batismo do seu próximo, pois o desejo de se batizar vem da alegria de se ter encontrado “a pérola de grande valor”, do desejo de estabelecer um marco na vida, por sentir-se remido pela graça, ou qualquer outro sentimento que nasça da fé que é fruto do “Autor da nossa fé”.

O batismo vem depois da conversão, pois é à partir da fé que nasce o desejo de batizar-se; daí “aquele que não crer já estar condenado” e não aquele que não foi batizado. O desejo de ser batizado vem após o Espírito ter suscitado fé no coração de alguém, mas o batismo em si não é sinal de conversão. Veja, por exemplo, o que disse João Batista quando alguns dos fariseus tentaram ser batizados sem estarem arrependidos:

“Quando viu que muitos fariseus e saduceus vinham para onde ele estava batizando, disse-lhes: “Raça de víboras! Quem lhes deu a idéia de fugir da ira que se aproxima? Dêem fruto que mostre o arrependimento!”

mostrando que não necessariamente o batismo é fruto de arrependimento. Outro exemplo é o do ladrão que morria ao lado de Jesus  que no último instante creu que Jesus era o Cristo e ouviu de Jesus: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso”. Tantos outros ouviram de Jesus “vá em paz” sem talvez nunca ter passado pelas águas do batismo.

A verdade é que transformaram o batismo em rito. Algumas seitas evangélicas instituem fórmulas especiais para serem pronunciadas na hora do batismo; existe também uma briga danada sobre se o batismo deve ser por “imersão” ou “aspersão”. Na maioria das seitas evangélicas o batismo é estatutário, ou seja, é necessário que a pessoa seja batizada para pertencer a seita.

Na igreja Católica o problema é ainda mais grave. Os teólogos Católicos, buscando justificar o batismo infantil, criaram o “pecado original“, dando ao rito batismal o poder de retirar pecados; uma blasfêmia contra a cruz de Cristo, pois torna o sacrifício de Jesus inútil. Quando, na verdade, o batismo infantil foi instituído por razões econômicas, uma vez que os batismos realizados pela igreja Católica não são gratuito, e, considerando os altos índices de mortalidade infantil na Idade Média, muitas crianças não passavam à idade adulta (mesmo que chegassem, teriam que escolher entre batizar-se e a fogueira).

Algumas outras seitas cristãs reformadas adotam o batismo infantil e, apesar de negarem, fazem isso para preservar as tradições herdadas da igreja Católica. O  argumento usado por eles para justificarem o batismo infantil não é mais o pecado original, pois seria uma grande contradição. Eles usam geralmente argumentos como, “os pais têm o dever de encaminhar os seus filhos na doutrina cristã”, ou tentam obter um argumento histórico de episódios do tipo:

“Uma das que ouviam era uma mulher temente a Deus chamada Lídia, vendedora de tecido de púrpura, da cidade de Tiatira. O Senhor abriu seu coração para atender à mensagem de Paulo. Tendo sido batizada, bem como os de sua casa

argumentando que “sua casa” inclui também as crianças.

Outro argumento, que pretende ser bem elaborado, é obtido associando o batismo a circuncisão (pois ela era realizada no oitavo dia de vida de todo recém nascido judeu) usando um trecho de uma das cartas de Paulo:

“Nele também vocês foram circuncidados, não com uma circuncisão feita por mãos humanas, mas com a circuncisão feita por Cristo, que é o despojar do corpo da carne. Isso aconteceu quando vocês foram sepultados com ele no batismo, e com ele foram ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos.”

contudo, neste trecho Paulo fala sobre o novo nascimento e não sobre o batismo; ainda é necessário que haja fé e conversão (que é o novo nascimento) e isso não pode ocorrer em uma criança por motivos óbvios.

Outra coisa importante a ser dita é que o batismo nas seitas cristãs também cumpre um papel político e de controle, tanto nas seitas que adotam o batismo infantil, como nas que não o adotam. Neste caso, o batismo funciona como uma marcação, onde o sujeito assume um compromisso com a instituição, declarando que concorda com suas doutrinas e sua política de administração, bem como prometendo fidelidade total a instituição e aos seus projetos. Na verdade ele não “aceita” somente a Cristo, mas rende a sua consciência individual à consciência coletiva do grupo; entregando-se ao total controle da instituição religiosa.

Isso acontece devido a vários fatores. De um lado temos a instituição auto-intitulando-se Igreja de Jesus, pregando o batismo como mandamento de Jesus e premissa para que o fiel venha pertencer a seita; geralmente o que é ensinado como doutrina e evangelho não tem conexão nenhuma com Jesus e o Evangelho. Do outro lado temos alguém que, apesar de freqüentar a seita há tempos, saber as músicas do louvor, saber alguns versículos, estar engajado nos projetos da instituição, saber muitas doutrinas e ter feitos algumas mudanças comportamentais, não sabe nada sobre Jesus e nem sobre o Evangelho. Quase a totalidade dessas pessoas nunca conheceu a Jesus de fato; apesar se chorarem e entrarem em transe (nas seitas carismáticas), nunca teve uma experiência de fé genuína com Deus; e podemos perceber isso apenas analisando as coisas para as quais o sujeito diz “amém” dentro da seita.

Com isso quero demonstrar que esses “cristãos”, uma vez que não têm comunhão com Deus de fato, resumem a sua relação e o seu compromisso com Deus à sua relação e compromisso com a instituição religiosa, sem saber distinguir uma coisa da outra. Eles não sabem a diferença entre a “igreja” como movimento humano e a Igreja de Cristo, não sabem fazer a separação entre o que é vontade de Deus e o que é doutrina humana, não sabem nem ao menos fazer a separação entre Deus e “igreja”. Portanto, o novo convertido nem ao menos se lembra sobre quando e como ocorreu a sua conversão porque na verdade não houve conversão alguma. Ele apenas se lembra de como chegou desesperado a seita, foi acolhido por pessoas que se diziam “irmãos”, começou a se conformar com as doutrinas e a fazer laços afetivos com o grupo e do dia do seu batismo.

Quando analisamos a situação envolvendo filhos de “cristãos” a história fica ainda mais preocupante. Pois, quando a criança vai adquirindo mais idade e vai chegando a adolescência, a “igreja” começa a pressioná-la com ameaças e qualquer outra técnica de coerção perversa para que ela se sinta na obrigação de batizar-se. Os pais e a “igreja” estão pouco preocupados com assuntos espirituais quando estão tocando neste assunto, pois, o que eles realmente querem, é que o jovem desista da sua consciência individual e personalidade que começa a se formar, desista dos seus próprios planos e se renda ao controle dos pais e da instituição. Dessa forma o jovem se torna um alienado da vida, não tem iniciativa própria e, fora do contato com a realidade, pode ser facilmente manipulado.

Esse trabalho de coerção é feito geralmente da forma mais perversa e covarde possível, pois se aproveitam da identidade sexual que começa a se formar no adolescente e dos novos impulsos com os quais ele começa a ter que aprender como lidar, para fragilizá-lo condenando os seus impulsos naturais e fazendo com que ele carregue consigo todo o tipo de culpas sexuais. Daí em diante o jovem passa a ter duas opções. Ele pode tornar-se tão hipócrita, moralista, perverso e cínico quanto o resto da comunidade religiosa ou, quando consegue libertar-se, geralmente se torna escravo das suas próprias pulsões, tornando-se uma pessoa obstinada e desorientada.

São essas coisas que tinha a dizer sobre o batismo “cristão”, as quais são baseadas em vários anos de observação, leitura bíblica e estudo da história. Não deixe de comentar sobre o tema usando o espaço destinado aos comentários. Deixe sua opinião sobre o tema (e sobre o meu texto) e conte suas experiências.

Categorias: Meus artigos

Escrito por Júnior Bocelli

Júnior Bocelli tem 31 anos, é Bacharel em Física, mas se deu bem mesmo trabalhando como web designer e professor; CEO da iCriação - Sistemas Web e Desktop e funcionário público. Amante de Jesus e do Evangelho, dedica parte do seu tempo a ajudar pessoas que querem Deus, mas não suportam mais a religião.

19 Comentários so far.

  1. Rafael says:

    Concordo contigo irmão. A decisão do batismo vem de uma individualidade de cada um (pela fé, isso não vem de nós é dom de Deus), não conforme uma sistemática religiosa.

  2. Caro irmão, seu texto é muito bom, mas minha opinião é que as crianças devem participar de tudo, batismo, ceia, encontros do corpo de Cristo, estudos, enfim o que for. Aqui no Caminho da Graça em Franca do qual sou o mentor elas participam como gente grande, exceto aquelas cujos pais vieram de igrejas pentecostais ou batistas e ainda tem dúvidas. Na graça de Cristo Jesus. Forte Abraço.

  3. Cláudio,

    Não sou contra as crianças participarem de tudo. Vou escrever em breve sobre a ceia.

    A denúncia do texto foi sobre a tirania de como as coisas são feitas.

    Abraço.

  4. Reflexão para Líderes Cristãos: Batizado não é amuleto…

    Você decidiu ser batizar. Depois do batismo, vem aquela sensação maravilhosa de estar mais próximo de Deus. É realmente muito bom. Mas o batismo não é o fim. É o começo. O fato de você se batizar não lhe traz proteção automática de Deus. Se o batismo n…

  5. Marcelo Marinho says:

    É um texto de pessoa frustada que queria ser católico, mas tudo bem você é ecumenico (pobre coitado). Agora chamar a religião evangélica de seita? Você que enganar quem? Cuidado o povo pensa! Como vai os seu parentes ubandistas? Feliz Ano Novo!
    Em tempo as Igrejas Evangélicas não são seitas, e sim são a Nação Eleita!
    Aquele abraço!

  6. Edison Antunes says:

    Prezado Junior Bocelli, o batismo é algo muito….muitíssimo sério….o que devemos ter é a consciência desse despertar. Um despertar para a luz, para saciar-se com a água pura da fonte. Talvez eu não tenha vivido o suficiente, nem muita experiência de vida tive, mesmo quando político, maçom, escoteiro, e demais atividades sociais que tentei preencher minha vida foi suficiente. O que realmente sei e aprendi na vida pela dor, é que tudo é vaidade, pura vaidade. O homem é só “ego”, de uma forma ou outra. Mas seguir e amar a Cristo, ai é diferente, tudo muda, tudo se transforma……porque segui-lo e ama-lo é de certa forma romper com o mundo,é nadar contra a correnteza, é dizer não ao sistema, é de certa forma ser sobrenatural. Assim, hoje aos 50 anos, vou me batizar, vou assumir definitivamente Jesus em minha vida, mesmo porque agora sou dependente de Jesus, nem que isto me custe tudo que aprendi. Se é que aprendi….

  7. Querido Edson,

    É por ser tão sério o batismo que ele não pode ser tratado da forma em que é tratado, sendo usado para fins perversos e inescrupulosos; se você acha que o batismo é tão sério assim junte-se a mim, pois é o que creio.

    Só tome cuidado com os ensinamentos cristão, principalmente evangélicos. Tudo no meio cristão, por causa da herança pagã do Catolicismo Romano, está corrompido por sofismas, ou seja, eles aliam algo verdadeiro a algo mentiroso, gerando uma mentira mais perversa que a original. Vou te dar um exemplo. Quando você diz “porque segui-lo e ama-lo é de certa forma romper com o mundo,é nadar contra a correnteza, é dizer não ao sistema, é de certa forma ser sobrenatural.” isso é verdadeiro e válido, porém, se eu perverter o significado de “mundo”, “sistema” e “sobrenatural”, você será duas vezes mais amaldiçoado do que era antes na vida, assim como os gentios que os judeus na época de Jesus conseguiam “converter” para a sua religião.

    Abraço.

  8. Adilson Batista da Costa says:

    Eu fui batizado na Igreja Catolica com 15 anos de idade pela influencia de meus Pais , por nao conhecer a verdadeira ensinamento de Jesus Cristo que é o batismo de Imersao. Vamos seguir o esemplo de Jesus que foi Batizado com 30 anos de idade.A minha opiniao sobre o Batizo de Criança é um équivico , crianças nao tem dicernimento de arrepedimento e compromisso com a obra de Deus.Como que uma criança vai crer para ser salva. Em Marcos capitulo 16 disse: Ide e pregai o Evangelho,todo aquela que crer será salvo e aquele que nao crer será condenado, entao uma criança nao tem esse discernimento de sua decisao.Apos eu estudar e ouvir a palavra de Deus eu mim converti, realmente neste evangelho encontrei o caminho verdadeiro que é Jesus Cristo. Ja tem 34 anos que eu batizei realmente no batizimo correto por Imersao. Pense nisso. Obrigado

  9. O ser humano é egoísta, e quer sempre a sua vontade, quer batizar crianças e adultos, não para a sua salvação, mas sim para satisfazer a vontade própria ou de uma determinada igreja(seita)tiram das pessoas o direito de escolha. sou catolico, mas nao concordo com muitas coisas nem da igreja catolica nem das protestantes.

  10. Querido Vanildodos,

    Devemos voltar a fé simples dos primeiros discípulos, na maneira como Jesus sempre disse que deveria ser. As pessoas não conseguem entender a diferença entre fé simples e religião; uma religião é formada por histórias, tradições, doutrinas feitas por supostos “mestres” e mais: na religião existe um conceito de hierarquia quanto ao conhecimento de Deus, ou seja, os mestres do clero têm um conhecimento maior e menor de Deus de acordo com a sua posição hierárquica na instituição. Nós somos apenas “povo” e vivemos na periferia do conhecimento divino, portanto, nada demos que questionar (segundo o “achismo” deles, é claro).

    Os protestantes negaram essas coisas bem no comecinho do movimento quando Lutero, Calvino e outros, apoiado por alguns nobres, começaram a sua revolução em lugares diferentes da Europa. Porém, não demorou muito tempo para que começassem a fazer as mesmas coisas. Hoje o movimento protestante não proíbe a leitura da bíblia, mas o que eles fazer é ler a bíblia segundo as doutrinas que eles criaram (e não o contrário como deveria ser). Então, você não proíbe a leitura da bíblia, mas cria sofismas e outras adaptações de modo que o povo não consegue lê-la e ter uma compreensão diferente daquela já estabelecida pelas doutrinas que eles criaram.

    Isso sem falar das tradições, costumes e mitos que eles foram absorvendo ao longo do tempo e incorporando a cada geração, criando um esterótipo de “evangélico”. Hoje ser “evangélico” e parecer-se com um esterótipo que foi sendo criado de geração em geração, mas que não tem nada a ver de fato com o Evangelho de Jesus; é só uma cultura diferente, e mais nada. Eles acham que porque eles são “evangélicos” eles vão para o céu, e que todos que querem ir para o céu também devem se tornar “evangélicos”, ou seja, você deve render-se e adaptar-se a esses esterótipo que eles construíram ao longo do tempo.

    Resumindo, devemos voltar a fé simples de Jesus e os discípulos, eliminar as tradições (segundo Jesus as tradições competem com a vontade de Deus), negar esse clero organizado, seja ele católico, protestante ou evangélico, pois, segundo Jesus, todos somos irmãos e não temos mestres ou superiores em nosso meio. Se existe algum homem no nosso meio que devemos ouvir e dar atenção as suas palavras, que seja esse que tenha um dom divino dado por Deus e não a pessoas que conseguiram esse direito por alguma ordenação humana, seja católica, evangélica e protestante. Devemos ajudar as pessoas escolhidas por Deus a nos servirem sem muitas dores, pois no Evangelho o maior entre nós é o servo de todos.

    Amado irmão Vanildodos, que cada irmão seja uma Casa de Deus e cada família seja uma Igreja espalhando a vontade de Deus em atos, e caso preciso, em palavras também. Se esses irmãos se reúnem ou não em algum lugar, tanto faz. Não é prioridade ou intenção do Evangelho que essas pessoas vivam reunidas em algum lugar. Só assim veremos os verdadeiros frutos do Evangelho florescendo no mundo em meios aos discípulos que são “sal” e “luz”.

    Grande abraço.

  11. Álvaro Larson Dias says:

    caro amigo, sou cristão evangélco, bacharel em teologa, mas reconeço que ainda sou pequenino no conhecimento da paavra de Deus, nao cocordo com o batismo infantil, pois entendo que ele deve correr quando a pessoa já tenha capcidade de entndimento e nao por imposição dos pais ou de qualquer otra coisa. o amigo disse que sua opinião esta baseada em litura da biblia, me desculpe, mas está evidente que de biblia voce nao sabe nada. Nao sou o dono da verdade mas acho que o amigo deve pesquisar um pouqinho mais antes de escrever bobagem, se isso nao foi de proposito

  12. Querido Álvaro Larson Dias,

    Você não citou a “bobagem” que eu escrevi e provavelmente nem entendeu o que eu escrevi. Estão distribuindo diplomas de teologia a granel? Você escreve com vários erros ortográficos e se expressa muito mal. Recomendo leituras de bons livros, assim você poderá aprender a escrever melhor e expressar melhor suas idéias.

    Abraço.

  13. marcos de souza melo says:

    se a pessoa quer Jesus e nao quer a religiao ta contribuindo para divisao porque religiao quer dizer uniao de grupos !

  14. keimilly valkiria says:

    Olá Júnior ,sou católica e batizada na minha infância com poucos dias de nascida,e creio q meu batismo é muito valido porque sinto Deus comigo o tempo todo,não vou dizer q concordo com tudo q tem na igreja católica mais o q vai me salvar ou não é minhas atitudes e comportamento e não a igreja ,na igreja católica desde os 6 anos de idade a criança participa do catecismo dos formiguinhas e na igreja evangélica tem muitas q não tem esse encimamento ,pq sei q a criança nao pagara pelos seus atos ate os 7 anos(perante Deus)e o batismo vem muito depois se essa pessoa morrer como vai ser se não tiver seu batismo?O povo discute muito sobre religião e não poe na cabeça q religião não faz diferença o q vai fazer toda a diferença é vc mesmo.

  15. Cara Keimilly,

    Seu comentário não faz o menor sentido. Primeiro você diz que a religião e a igreja não tem poder para salvar ninguém, que isso depende dos atos de cada um; mas depois diz “depois se essa pessoa morrer como vai ser se não tiver seu batismo?”.

    Você tem que decidir no que você crê, pois percebo que os conceitos sobre salvação ainda estão muito bagunçados na sua cabeça.

  16. Ademar says:

    O que diferencia uma igreja de outra é a doutrina. Na minha opinião, batismo
    é coisa séria. Há igreja evangélica que batiza adolescentes, e eu sou
    totalmente contra. A maioria acaba não permanecendo na igreja, porque eles
    vão pela emoção, não pela razão. Devem se batizadas só pessoas convictas,
    amadurecidas, que sabem da responsabilidade que estão assumindo. Só adultos
    convictos deveriam ser batizados.

  17. Kleper says:

    Paz de CRISTO para todos;
    esse é sem dúvida um dos temas mais contraditorios que a Cristandade atual tem enfrentado, depois de ler e observar cada comentario, me senti a vontade para fazer o meu : atualmente, as igrejas, independente se catolicas ou evangelicas, tem tentado de todas as formas segurar o maior número de pessoas em suas crenças, dogmas e denominações, nem que para isso seja necessario manipular de alguma forma a contagem dos números, observe, nasci como quase todo brasileiro, católico de nome, ia as missas nos domingos, rezava duzentos pais nossos e demais rezas de praxe, porém vivia vazio, aos dezoito anos de idade, entendi, mesmo que de forma generica a obra de CRISTO, recebi – o em meu coração em 1999, e de lá para cá tenho aprendido muito com SENHOR, congrego desde então em uma igreja evangelica, sou feliz, porém incomodado com o rumo que a igreja em sua totalidade vem tomando, o povo parece ser exclusivo não de CRISTO, mas sim dos lideres, o povo é manipulado, é envergonhado, enganado e é massacrado por uma falsa santidade, que levam os membros a viverem quase em transe, em vez de ter de fato relacionamento com DEUS, temos cursos de todos os tipos hoje, curso para membros (batismo), curso para diacono, curso para presbiteros, evangelista, pastores e missionarios, temos cursos para casais se exporem, só não temos cursos de como viver de fato para DEUS, em fim, se o SENHOR JESUS não estivesse voltando, a igreja chamada protestante deveria passar novamente por uma grande e ampla reforma, isso por que o nicolaismo tem tomado conta de nossas igrejas. Quanto ao batismo que é o assunto em questão, em minha singela opnião, não existe de fato idade certa para se batizar ou não uma pessoa, há sim uma maturidade que deve ser observada para que essa decisão seja tomada, por exemplo tem alguém de minha parentela que foi batizada com 10 anos de idade, eu mesmo a discipulei, apesar de ser nova, percebia nessa pessoa o nivel de compromentimento não com o movimente, mais com DEUS, leitura Bíblica, Oração, respeito para com as coisas de DEUS, em outros casos, temos pessoas que passam anos e anos afundando o caminho das igrejas mais nunca amadureceram ao ponto de entenderem a verdadeira mensagem de CRISTO. Fiquem na paz do SENHOR JESUS, creiam que ELE está às portas, devemos nos preparar para esse encontro, para esse tão especial momento. Em CRISTO, Kleper.

  18. nir says:

    pra que estabelecer idade ? diz a biblia se creres de todo seu coração! disse filipe ao eunuco atos 8:37 me responda uma bebe pode entender oque é crer? ou crer ? quando uma pessoa cre acredita em jesus cristo como salvador, esta habilitado para o batismo ! quanto a conversão implica em mudança de pensamento,sentimento e proposito.

  19. Anderson says:

    Olá, Junior !

    Concordo com suas observações,e acrescento mais, sobre as hierarquias. Nas igrejas, convenções estaduais, e nacionais, é interessante como só pastores e professores de seminários são indicados e conseguem os cargos remunerados, ou seus parentes ou amigos ! Ou seja é uma ditadura ou militarismo, ou dinastias disfarçados ! Alguma denominações, seus estatutos rezam que só os pastores são presidentes, ou seja só os militares e os outro dizem amém !! Com relação ao batismo, realmente pastores pensam em apenas recrutar membros e fidelizar seus familiares. Existe um transe coletivo onde todos dizem amém a tudo ! Abri meu olho a pouco tempo “…E logo lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista; e, levantando-se, foi batizado. Atos 9.18”. Infelizmente tenho tido a visão, que a maioria dos pastores miram no dízimo, infelizmente! Sugam os coitadinhos assalariados, enquanto participam de pomposos encontros e congressos em hotéis de luxo, sem fim algum,pagos pelo dízimo, e oferecem aos suas ovelhas retiros em barracas, em lugares modestos. Adoro os lugares modestos e perto ou dentro da natureza, apenas mostrei a diferença da balança !


Conheça também