Blog do Júnior Bocelli

Estudos bíblicos, reflêxões, devocionais, histórias e artigos em geral.

Danilo Gentili evangélico?

Danilo Gentili evangélico?

Esse vídeo é interessante. Vi ele no Orkut, sei que foi postado em outros blogs. Caso já tenha visto, veja de novo; se não viu, aproveite a oportunidade. Trata-se do repórter do CQC, Danilo Gentili, comentando sobre a sua passagem pela igreja evangélica.

Em entrevista a programa do UOL, o repórter conta sobre como decidiu deixar a Igreja Católica após começar a ler a Bíblia, optando por freqüentar a igreja Batista, onde logo começou a subir na hierarquia da instituição. Tornou-se “líder de jovens”, “pregava” em cultos, e quase tornou-se pastor; mas logo percebeu que “o negócio não é bem assim como falam”, nas palavras de Gentili. Usando de sarcasmo o repórter solta pérolas como: “eu ía ser pastor, mas daí eu cansei de palhaçada e virei humorista.

Ele ainda conta sobre o conflito que teve com o bispo da Renascer, Estevam Hernandes, em evento da igreja realizado no final dos anos 1990, com o nome “SOS da Vida”. Danilo Gentili acusa o bispo de ter ordenado aos participantes que lhe atirassem pedras após ler sua faixa com os dizeres “$O$ da Vida?”, em protesto aos custos abusivos do evento. Termina dizendo que crê em Deus e tudo mais, mas que não que mais saber de igreja nenhuma.

Na minha opinião esse é mais um caso que retrata bem o que diz o apóstolo Paulo, na carta aos Romanos, comentando sobre os judeus que se orgulhavam de terem recebido a lei de Deus e as promessas, quando diz (citando o profeta Isaías e o profeta Ezequiel): “O nome de Deus é blasfemado em meio aos não judeus por causa de vocês.”

E por que? Ora, por causa da hipocrisia de dizer-se defensor das causas, valores e leis de Deus, em oposição aos não religiosos (que supostamente vivem como querem), apesar de fazer as mesmas coisas que eles. Paulo fala exatamente sobre isso: um povo que orgulhava-se e denominava-se “de Deus”, que escolhia pessoas na sociedade (geralmente os “piores” exemplos, como todo bom religioso faz) para serem estigmatizados como “pecadores” e contrários as “leis de Deus”; para depois, através desses exemplos, condenarem todos os que não fazem parte da sua religião e não aderiram ao seu modo de viver.

Porém, como diz Paulo, essas pessoas são condenadas pelo seu próprio julgamento, uma vez que praticam as mesmas coisas que condenam nos “pecadores”, ainda que de maneira subjetiva. Vejamos o que ele diz acerca dos seus irmãos religiosos:

“Ora, você leva o nome de ‘judeu’, apóia-se na Lei e orgulha-se de Deus. Você conhece a vontade de Deus e aprova o que é superior, porque é instruído pela Lei. Você está convencido de que é guia de cegos, luz para os que estão em trevas, instrutor de insensatos, mestre de crianças, porque tem na Lei a expressão do conhecimento e da verdade. E então? Você, que ensina os outros, não ensina a si mesmo? Você, que prega contra o furto, furta? Você, que diz que não deve adulterar, adultera? Você, que detesta ídolos, rouba-lhes os templos? Você, que se orgulha da Lei, desonra a Deus, desobedecendo à  Lei? Pois está escrito: ‘O nome de Deus é blasfemado entre os gentios por causa de vocês’“.

Apesar de seus irmãos judeus condenarem o mundo por não ser religioso como eles, Paulo segue o caminho oposto  identificando pessoas que nunca tinham ouvido, nem sabiam que existia,  Lei de Deus, mas que a praticava mesmo sem saber. Não porque esta Lei estava nas Escrituras e era ensinada no Templo, mas porque tal pessoa tinha essas leis em seu coração, ou seja, a sua própria consciência era convertida à vontade de Deus, independente de ser religiosa ou não; de modo que a consciência dessa pessoa “tornava-se lei para si mesma” e ela praticava a vontade de Deus naturalmente sem necessidade de religião.

“Porque não são os que ouvem a Lei que são justos aos olhos de Deus; mas os que obedecem à Lei, estes serão declarados justos. De fato, quando os não judeus, que não têm Lei, praticam naturalmente o que ela ordena, tornam-se lei para si mesmos, embora não possuam a Lei; pois mostram que as exigências da Lei estão gravadas em seu coração”

Significando dizer que não existe diferença entre “religioso” e “não religiosos” diante de Deus, pois Ele se agrada daqueles que andam conforme uma consciência justa e aperfeiçoada em Deus, não seguindo leis e mandamentos impostos pela religião. Essa consciência, como diz Paulo mais adiante, tem o significado de uma Lei, pois “hora condena e hora justifica o indivíduo”, de acordo com as suas obras.

Esse deveria ser o desejo de todo homem: aprender a viver no mundo no mundo buscando uma consciência aperfeiçoada em Deus, que é de Amor, Paz e Misericórdia; negando-se os seus desejos egoístas e “levando a sua cruz”, que nada mais é do que viver a vida fazendo o melhor que pode com o que receba, seja bom ou seja mau.

Ao Danilo Gentili desejo boa sorte em sua caminhada. Aos que o julgam e esperam que ele volte, pois está “perdido”, ofereço o finalzinho da passagem que traz consigo uma exortação:

“Isso tudo se verá no dia em que Deus julgar os segredos dos homens, mediante Jesus Cristo, conforme o declara o meu evangelho.”

Categorias: Meus artigos, Reflexões

Escrito por Júnior Bocelli

Júnior Bocelli tem 31 anos, é Bacharel em Física, mas se deu bem mesmo trabalhando como web designer e professor; CEO da iCriação - Sistemas Web e Desktop e funcionário público. Amante de Jesus e do Evangelho, dedica parte do seu tempo a ajudar pessoas que querem Deus, mas não suportam mais a religião.

4 Comentários so far.

  1. Camilo Nunes says:

    Esse ai pelo menos, entende que antes de sermos “Cristãos”,temos que ser sinceros !
    Principalmente com nós mesmos !!!
    abraço a todos os humanos que nem eu !kkkk

  2. Talita says:

    Que pena, as escolhas que faz somos nós, temos livre Arbitrio de escolher o CÉU e o INFERNO.

    CUSTE O QUE CUSTAR, EU VOU PRO CÉU!

    AGORA CABE AO DANILO FAZER A ESCOLHA DELE

  3. A “igreja evangélica” não é e nunca foi uma porta para o céu. Ela é apenas mais um religião, como todas as outras, construída em cima de tradições, idiossincrasias e sofismas. Eles fazem, como qualquer outra religião que se diz “cristã”: leem o Evangelho e a bíblia segundo as doutrinas que eles criaram e nunca o contrário. Portanto, claro que a “igreja evangélica” é segundo a “Palavra de Deus”, pois a “Palavra de Deus” para os evangélicos nada mais é que a maneira como eles interpretam a bíblia e passam essa interpretação mentirosa para o povo.

    Cuidado, minha irmã. Você pode muito bem estar indo no caminho contra Jesus, que é o Caminho. Releia o Evangelho, mas leia como ele é, e não como o seu grupo costuma interpretá-lo.

    Outra coisa que é bom lembrar, é que não existe nenhuma passagem na bíblia onde Jesus fala sobre o inferno e a perdição (inclusive usando expressões como “filhos do diabo”) que não fosse para o grupo da religião da época, que se achavam conhecedores e herdeiros de Deus. Para os pecadores habituais ele nunca sequer tocou nesse assunto. Portanto, como sugeri, é bom que você tome muito cuidado e veja bem onde você está se metendo.


Conheça também